ave morta
Segundo a autarquia castrense, as espécies envenenadas incluem nove milhafres-reais, uma águia-imperial-ibérica, ambas espécies ameaçadas em Portugal, e uma raposa.

O município de Castro Verde recorda que o uso ilegal de veneno é uma prática lesiva para a natureza, que pode também afectar os seres humanos e os animais domésticos de forma bastante gravosa. Afirma ainda a autarquia que existe um risco elevado para a saúde pública quer, através da introdução na cadeia alimentar humana devido ao consumo de animais contaminados, coelhos, lebres ou perdizes, quer pelo contacto directo por manipulação de iscos ou contacto com fluídos de animais envenenados.

A Câmara Municipal de Castro Verde afirma que está preocupada com aquilo que aconteceu, num acto que contraria o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido no concelho ao longo das últimas décadas.

O alerta foi dado pela LPN e o caso foi entregue às entidades competentes, estando em curso uma investigação para apuramento dos factos.

Comente esta notícia