Centro de Saúde de Ferreira do Alentejo

Paulo Conde um dos elementos do Movimento de Utentes de Serviços Públicos do concelho de Ferreira do Alentejo frisa que, desde o início da pandemia, as consultas presenciais foram interrompidas, sendo feitas unicamente por telefone.

Paulo Conde explica à Voz da Planície que esta iniciativa tem como objetivo defender o Serviço Nacional de Saúde e exigir o regresso das consultas presenciais não só na sede de concelho, como também nas freguesias.

Paulo Conde revela que a população se sente “abandonada e discriminada” e que é possível retomar as consultas cumprindo as orientações das autoridades de saúde. Acrescenta ainda, que houve um pedido de reunião com a direção do Centro de Saúde, pedido esse que não foi aceite, por motivos relacionados com a COVID-19.

No dia de ontem, a Câmara Municipal fez saber que "tomou recentemente a iniciativa de pedir uma reunião com a Direção do Centro de Saúde de Ferreira do Alentejo".

Na reunião foi "analisada a situação da COVID19 no concelho" e foi igualmente "abordada a situação do atendimento ao público no Centro de Saúde e nas Extensões das aldeias, que têm restrições por causa da COVID19", explica a autarquia. 

O município revela que ficou  "acordado voltar ao assunto no princípio de setembro, no sentido de serem criadas condições para abertura dos postos médicos e do atendimento". 

A autarquia acrescenta, ainda, que "em conjunto com as juntas de freguesia, continuará a acompanhar este assunto, com a maior responsabilidade" tendo em conta a "proteção dos profissionais de saúde e das pessoas em geral contra a pandemia, e em representação dos direitos e interesses da população". 


Comente esta notícia