Saúde

“Preservar vidas humanas; proteger os mais vulneráveis, particularmente a população idosa a viver em estruturas residenciais para idosos e preparar a resposta ao crescimento epidémico da pandemia” são os principais objetivos deste plano. Para alcançar estes propósitos, o Governo anunciou que “foi criada uma task-force na dependência do Ministério da Saúde em que se aposta na resposta maximizada nos cuidados de saúde primários, com atendimento presencial, não presencial e domiciliário, bem como nas respostas de proximidade, incluindo dispensa de medicamentos”.

Este plano prevê, ainda, “um reforço da resposta em saúde pública, especialmente, em situações de surtos, adapta as atuais áreas dedicadas à Covid-19 em áreas dedicadas aos doentes respiratórios e os circuitos de internamento hospitalar para diferentes fases da resposta.”

Na ULSBA a resposta a esta situação está também a ser feita. Existem camas destinadas, no 3º piso do Hospital de Beja, a doentes Covid-19 e a possibilidade de serem retiradas de outras áreas. Conceição Margalha, presidente do Conselho de Administração da ULSBA, assegura que perante a perspetiva que se avizinha de se caminhar para um tempo em que a gripe sazonal se vai misturar com a Covid-19 “está tudo a ser preparado para lidar com estas possibilidades” e explica como.

“Com o aproximar do inverno, a preocupação é manter as extensões de saúde abertas, mas em condições seguras, no sentido de se evitarem contágios, ou seja apostando na marcação de horários para consultas e na não acumulação de doentes nos centros”, afirmou, ainda, Conceição Margalha.

Recordou que a presidente do Conselho de Administração da ULSBA revelou, em entrevista à Voz da Planície, que até ao final deste mês todas as extensões de saúde estariam em condições de voltar a funcionar.


Comente esta notícia