GNR
No momento em que se comemora o 104.º aniversário da Guarda Nacional Republicana, a ASPIG esperava que os discursos dos responsáveis, embora muitas vezes de circunstância, anunciassem, ainda assim, algum alívio do sufoco a que os militares da GNR têm sido sujeitos, ora pelos reflexos directos dos períodos de crises, ora pela incompreensão dos decisores políticos, ora pelo impasse no que concerne ao estatuto, lei orgânica e regime de pensão de reforma dos militares.

José Alho, presidente da ASPIG, afirma que são várias as "questões" que continuam pendentes no Ministério da Administração Interna e que dificilmente vão ser resolvidas por este Governo.

José Alho, espera que os militares da GNR saibam, nas próximas eleições legislativas, dar nas "urnas" de voto a resposta pela forma como têm sido tratados pelo actual Governo. Ainda segundo, José Alho convém não esquecer que este Governo não é o único que não cumpre.

Comente esta notícia

Camarada José alho você dá uma no cravo outra na ferradura ou está com medo de ser despedido os camaradas sabem bem qual o governo que nos últimos anos lhes roubou os salários as pensões os direitos e a vontade de viver

Carlos Tomé

30/11/-0001

"Os problemas que têm resolução, resolvidos estão. Os que não têm resolução resolver-se-ão! Assim se pensa, quando se trata da Instituição e de quem a serve ou servim elhe dá nome!

João Alberto Romão da Silva

30/11/-0001