Aeroporto de Beja

A Ana Aeroportos de Portugal e a AeroNeo formalizaram, no último dia do mês de julho, a assinatura de uma licença de ocupação que visa a construção e exploração de uma unidade industrial no aeroporto de Beja, destinada à manutenção, desmantelamento e certificação de componentes recuperáveis de aeronaves.

Sérgio Monteiro, secretário de Estado dos Transportes, esteve presente e começou por referir que isso não significava a apropriação do Governo desta iniciativa e que se teve em conta os resultados do estudo efetuado pelo Grupo de Trabalho. Prosseguiu dizendo que foi encontrada uma vocação para o aeroporto de Beja e fez questão de deixar claro que o Governo continua comprometido com o desenvolvimento da região, chamando para as suas declarações a importância das acessibilidades.

Ponce Leão, presidente do Conselho de Administração da ANA-Aeroportos de Portugal, referiu que a vocação industrial do aeroporto de Beja era indiscutível, mostrou-se satisfeito com a instalação desta unidade, dentro do seu mandato, relevou a importância que Beja assume, juntamente com Sevilha e Évora, na aeronáutica e avançou que isto é apenas o início, podendo esta atividade abrir outras possibilidades como a realização de formação para pilotos nesta infraestrutura.

Dominique Verhaegen, em representação da AeroNeo, explicou que a empresa investe neste projeto, 8 milhões de euros, que cria 80 postos de trabalho, começando por 30. Revelou que se pretende criar um quadro de especialistas locais, desvalorizou as questões ambientais, dizendo que as mesmas estão acauteladas e esclareceu porque se fez o investimento em Beja.

Em representação da Câmara de Beja esteve o vereador Manuel Oliveira, que valorizou o investimento, mas frisando contudo, que enquanto as outras valências do aeroporto não estiverem a funcionar, o impacto, em termos de desenvolvimento na região, não será o desejável.


Comente esta notícia