FORTES

O PCP quer ouvir a Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, a Agência Portuguesa do Ambiente e da Associação Ambiental Amigos das Fortes, na Comissão de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território.

O PCP recorda que, em Agosto de 2018, na Assembleia da Republica foi aprovada por unanimidade uma “Resolução que Recomenda ao Governo Português que promova medidas urgentes para por termo ao problema ambiental e de saúde pública em Fortes, Ferreira do Alentejo e concelhos limítrofes, relacionado com laboração do bagaço de azeitona, da qual nada foi cumprido”.

João Dias, deputado do PCP eleito por Beja, acusa o Governo de fazer “orelhas mocas” em todo este processo e de não ter vontade política para resolver este problema. Ainda segundo João Dias é fundamental que exista harmonia entre a actividade industrial e a protecção e defesa do ambiente e da saúde pública.

João Dias reafirma a ideia que este problema não é exclusivo de Fortes e fala dos alertas que o PCP tem deixado relativamente ao aumento da área de plantação de olival intensivo e super-intensivo nesta região.


Comente esta notícia