Rui Garrido

O impacto das “Alterações Climáticas” no sector agrícola e, por outro lado, os contributos que este sector pode dar para a mitigação dos efeitos negativos deste fenómeno é o foco central da Ovibeja 2019 e a partir desta temática vão acontecer, ao longo dos cinco dias do certame, várias ações e atividades, dinamizadas não só pela ACOS, mas também por outras entidades, entre elas a CIMBAL.

Nesse sentido e tal como explica Rui Garrido, a ACOS organizou o simpósio “Alterações Climáticas e Agricultura”, um seminário que vai decorrer durante dois dias (27 e 28 de abril) e que conta com intervenções de especialistas portugueses e espanhóis. O presidente da ACOS esclarece igualmente a escolha deste tema para a 36ª Ovibeja.

A Ovibeja é ponto de passagem da classe política e, por isso, é também um palco de reivindicação para a resolução não só dos problemas que afectam o sector agrícola, como também os que afectam a região.

Quanto à agricultura, Rui Garrido espera que continue a chover e que o tema “seca” não seja um dos mais abordados, referindo, contudo, que a chuva que tem caído até agora é insuficiente para assegurar grande parte das culturas e o abeberamento do gado. Questões ligadas ao investimento, nomeadamente, PDR e Alqueva, são matérias que o presidente da ACOS afirma que vão ser discutidas.

A ACOS integra a Plataforma Alentejo e, por isso, o tema das acessibilidades vai ser outro dos assuntos a abordar junto da classe política. De acordo com Rui Garrido este é um problema que tem influência directa no sector agrícola.

Excertos de uma entrevista feita ao presidente da ACOS, Rui Garrido, sobre a 36ª Ovibeja, que pode ouvir na íntegra, nos jornais alargados das 12.00 e das 17.00 horas, de hoje.


Comente esta notícia