Basílica Real Castro Verde

Dada a dimensão da 2ª fase da obra, que totaliza um investimento de 381 mil e 300 euros, foi submetida a Fundos Comunitários uma candidatura - agora aprovada - para a intervenção de conservação e restauro do tecto pintado em madeira. 

É com muita satisfação que António José Brito, presidente do município castrense, realça a aprovação da candidatura à 2ª fase da obra que, garante, avançar, assim que esteja concluída a 1ª fase que contempla a limpeza do telhado, restauro de portas e janelas e, ainda, a pintura toral do edifício, num investimento superior a 65 mil euros. O autarca sublinha que “a Basílica terá uma nova cara nos próximos meses”.

Esta era uma intervenção há muito esperada pelos fiéis e, por toda a população castrense. O padre Luís Fernandes, da paróquia de Castro Verde, destaca a “grande boa vontade” da Câmara Municipal no sentido de levar a cabo esta ação de reabilitação em conjunto com as entidades envolvidas no processo.  

O pároco salienta, ainda, que a Basílica Real terá uma dupla dimensão na sua utilização: por um lado e a mais importante, a vertente religiosa e, por outro, a vertente cultural e histórica.

A requalificação da Basílica Real de Castro Verde decorre no âmbito de uma ação que está a ser coordenada pela autarquia castrense e que, no total das duas fases de intervenção, representa um investimento que ascende aos 446 mil e 300 euros.


Comente esta notícia

Galeria de fotos