Luiz da Rocha (foto tirada do facebook Luiz da Rocha)

Com as portas prestes a reabrir, é com muita apreensão que António Leandro, responsável pela pastelaria, café e restaurante Luiz da Rocha, em Beja, vê o futuro do sector e do “seu” estabelecimento que emprega 40 pessoas.

António Leandro frisa que este é um dos sectores mais afetados pela pandemia e que, nesta altura, de preparação para voltar a abrir portas, uma das medidas passa pela sensibilização junto dos clientes para que cumpram as normas de segurança.

As perspetivas não são animadoras, diz António Leandro, explicando que mesmo após a reabertura, vai continuar com cerca de 50% dos trabalhadores em layoff.

“Há dois meses que a receita é zero”, afirma António Leandro e, em termos de receitas, as expetativas também não são boas, apontando o dedo aos apoios do Estado que diz serem “muito prometidos”, mas que demoram muito tempo a chegar.

Segundo António Leandro, as diretrizes que receberam e que têm que implementar são “vagas e imprecisas”, algumas muito difíceis de serem colocadas em práticas. O responsável pela pastelaria Luiz da Rocha exemplifica com o caso da lotação das salas.

Conscientes da dimensão do “que aí vinha”, António Leandro recorda que o Luiz da Rocha fechou portas no dia 15 de março, há sensivelmente dois meses, e acrescenta que o impacto económico desta crise vai ser devastador, em particular para este estabelecimento comercial que antes da pandemia vivia uma “situação desafogada” e, agora, “ficou com uma corda ao pescoço”.


Comente esta notícia

Galeria de fotos