Deputado João Dias Parlamento

O PCP afirma, no documento enviado ao Governo, que “para a linha do Alentejo está previsto um estudo/projeto, desta vez amputado de parte significativa da linha e que lhe confere a sua viabilidade que é a ligação em toda a sua extensão não só na ligação entre Casa Branca e Beja como no que respeita à ligação entre Beja e Funcheira ligando à Linha do Sul e à tão importante infraestrutura que é o porto de Sines”. São referidos, também, “os vários estudos que já foram realizados”, reportando-se aos efetuados em 2015, que considerava viável esta possibilidade e o “realizado em 2019, que até hoje se desconhecem os seus resultados”, tal como referiu à Voz da Planície o deputado João Dias, explicando que são pedidos esclarecimentos sobre os mesmos.

O requerimento lembra, ainda, que “no passado dia 22 de dezembro de 2020 a Infraestruturas de Portugal, através dos seu Conselho de Administração Executivo, deliberou proceder ao lançamento do procedimento pré-contratual necessário à contratação de “Modernização troço Casa Branca Beja (Linha do Alentejo), com ligação ao aeroporto de Beja, incluindo eletrificação e instalação de sistemas de sinalização e telecomunicações”. Trata-se de estudos e projetos para a Linha do Alentejo apenas na ligação entre Casa Branca e Beja no valor de 3.230.000,00 €, a estar concluído em 2025, com a seguinte repartição: Ano de 2021 — 840.000,00 €, a que acresce IVA à taxa legal em vigor; Ano de 2022 — 2.045.000,00 €, a que acresce IVA à taxa legal em vigor; Ano de 2023 — 230.000,00 €, a que acresce IVA à taxa legal em vigor; Ano de 2024 — 115.000,00 €, a que acresce IVA à taxa legal em vigor”. O deputado João Dias acrescenta que “o Governo não pode fazer o trabalho pela metade e frisa que é preciso passar das palavras aos atos, tendo em atenção a importância deste ano, 2021, em que tem início um novo quadro de apoio.

Para além das questões já identificadas, João Dias pergunta, ainda, para quando estão previstas as obras e a sua conclusão e se o Governo equaciona, ou não, a modernização da linha até à Funcheira.


Comente esta notícia