Monte da Rocha

Segundo o comunicado da tutela, “a Barragem do Monte da Rocha insere-se nos projetos futuros, previsto no âmbito do Plano Nacional de Regadios (PNRegadios) e encontra-se em fase de elaboração do projeto de execução, estando prevista a sua conclusão para outubro de 2020”.

“A ligação de Alqueva à barragem de Monte da Rocha será possível através do projeto Circuito Hidráulico e Bloco de Rega de Messejana e representa um investimento previsto de 19 milhões de euros”.

Marcelo Guerreiro, presidente da Câmara de Ourique demonstra a sua satisfação com este anúncio do Governo e volta a recordar a importância que este projeto tem e que espera ver concretizado em breve.

Por um lado, irá “permitir o abastecimento público aos 5 concelhos que recebem a água a partir do Monte da Rocha” e, por outro, esta empreitada irá “garantir o fornecimento de água no perímetro de rega já existente nos concelhos de Ourique e de Santiago do Cacém”.

Além disso, irá possibilitar “a criação de um novo perímetro de rega nos concelhos de Ourique e de Aljustrel”, potenciando “o desenvolvimento económico da região”.

O autarca esclarece que o abastecimento público aos 5 concelhos - Ourique, Castro Verde, Almodôvar, Mértola e Odemira - que recebem água a partir do Monte da Rocha está garantido.

Contudo, Marcelo Guerreiro afirma que as alterações climáticas “vieram para ficar”, trazendo períodos de seca contínua mais frequentes.

Perante este quadro, o presidente da autarquia ouriquense reitera a importância da ligação do Roxo ao Monte da Rocha, levando a água de Alqueva ao território.

De acordo com a nota de imprensa, “esta obra permitirá regar uma nova área de 3000 hectares localizados entre Messejana e Panóias, no distrito de Beja. A rede principal fará ainda a ligação à barragem de Monte da Rocha permitindo o reforço de recursos hídricos da albufeira desta barragem, importante origem de água para abastecimento público e para o regadio do Alto Sado”.

O Programa Nacional de Regadios foi concebido com o objetivo de definir a estratégia de financiamento do regadio no território nacional no período 2014-2023.

O investimento previsto de 560 milhões de euros é repartido pelo PDR2020 (280 M€), o BEI (200 M€) e o CEB (80 M€). A vertente associada à execução do PDR 2020 (1ª Fase) encontra-se em curso desde 2014, tendo sido aprovadas 46 candidaturas.

No que se refere à vertente dos apoios enquadrados nos contratos de financiamento celebrados com o BEI e o CEB, foram publicados dois Avisos:  um para a zona do Alentejo (com uma dotação de 93 M€) e outro para as zonas Algarve, Sudoeste Alentejano, Norte e Centro (com a dotação 60 M€).


Comente esta notícia