UNESCO ministra

De acordo com o ministério da Saúde, “a hospitalização domiciliária, embora ainda recente em Portugal, é já um modelo organizativo de prestação de cuidados de saúde em 25 estabelecimentos hospitalares do SNS, que se pretende alargar a todo o País.”

A hospitalização domiciliária é vista como uma opção com diversas vantagens, destacando-se uma maior “comodidade para o doente, a libertação de recursos hospitalares, a menor incidência de infecções, bem como a qualidade e continuidade assistencial”.

As assinaturas decorrem no âmbito da sessão “Hospitalização Domiciliária Balanço e Desafios 2020” que pretende proporcionar a partilha de experiências das equipas, dificuldades, estratégias, mas também o compromisso de alargamento desta metodologia de trabalho, nos hospitais do SNS.

Durante a sessão são abordados temas como “Visão da Hospitalização Domiciliária na região da Galiza”, “Contratualização e Certificação de Unidades”, “Estratégias de integração de doentes na Hospitalização Domiciliária”, “Hospitalização domiciliária e área cirúrgica”, “Desempenho das equipas-Factores críticos de sucesso” e “Acreditação e  Indicadores de qualidade”.




Comente esta notícia

Galeria de fotos