Funcionários públicos

O aumento do horário de trabalho para 40 horas semanais e a requalificação dos funcionários públicos são medidas que lesam os trabalhadores da Administração Pública afirma a Frente Comum.

Henrique Vilallonga, representante no distrito da Frente Comum, afirma que o aumento do horário de trabalho tem como consequência o aumento do desemprego e que invalida a renovação da Administração Pública. Sobre a requalificação, Henrique Vilallonga frisa que significa apenas o maior despedimento colectivo de sempre na história da Administração Pública em Portugal e avança que os sindicatos esperam que o tribunal Constitucional se venha a pronunciar contra a implementação do diploma.

Desde o dia de ontem, que os funcionários no activo e os reformados passaram também, a descontar mais 2,25 por cento dos seus salários para a ADSE, na sequência de publicação de nova legislação em Diário da República. Sobre esta matéria, Henrique Vilallonga diz que o aumento daqueles descontos tem como resultado uma sobrecarga de impostos, mais uma vez, para os funcionários públicos, assim como a desvalorização dos seus salários e a consequente diminuição do poder de compra.

Henrique Vilallonga recordou que foi entregue na passada segunda-feira, na Assembleia da República, uma petição a pedir a revogação destes diplomas e que a Frente Comum vai continuar a lutar, no sentido de alcançar aquele objectivo.

 

Comente esta notícia