Cuba - Painel Solar

A introdução de energia fotovoltaica no EFMA, através da instalação de um grande parque fotovoltaico, é uma prioridade incontornável, seja ao nível económico, seja ao nível ambiental, acompanha a tendência mundial de aposta nas renováveis e faz especial sentido numa zona com excelentes níveis de radiação solar. A instalação destas centrais na proximidade das estações elevatórias que consumirão a eletricidade gerada permitirá, além da respetiva descarbonização, a eliminação das perdas por transmissão e a redução de potencia pedida à rede, em geral durante o verão e em especial durante os períodos de ponta. As declarações são de José Pedro Salema, presidente do Conselho de Administração da EDIA, que frisou, também, à Voz da Planície, que este “é um caminho para a sustentabilidade do projeto”.

A solução flutuante, assegura José Pedro Salema, tem a ver com o facto, de não existir espaço em terra para a sua instalação e o procedimento contratual avança agora porque está disponível o financiamento para o concretizar. Acrescentou que o projeto terá como preço base 50 milhões de euros, financiados em 45 milhões de euros pelo Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa e 5 milhões de capitais próprios da EDIA.

José Pedro Salema revelou, igualmente, que o concurso será lançado no próximo mês e que obras só em 2020. Fez questão de salientar, ainda, que importa marcar o arranque desta possibilidade para que as empresas interessadas se possam posicionar.

Este projeto compreende a instalação de 10 centrais fotovoltaicas flutuantes, com uma potência instalada total de 50 MWp e ocuparão uma área com cerca de 50 hectares sobre a água, estimando-se que sejam necessários mais de 127 mil painéis fotovoltaicos que evitarão a emissão de cerca de 30 mil toneladas de CO2 por ano.

Com uma produção estimada em 90GWh/ano, a energia obtida pelo conjunto destas centrais fotovoltaicas seria suficiente para abastecer cerca de 2/3 de toda a população do Baixo Alentejo. O concurso incluirá também a manutenção e operação durante os primeiros 5 anos.


Comente esta notícia