Rosa

O ramal de Moura, um dos mais importantes, para além da capital de distrito, encerrou no dia 31 de Dezembro de 1989. Na altura a região, sobretudo a margem esquerda, travou várias lutas para tentar impedir esta decisão que foi vista por muitos como decisiva para o declínio do serviço que tem sido prestado ao longo destas décadas pela CP.

António Rosa, 84 anos de idade, 39 ao serviço dos Caminhos-de-Ferro, pertencia na altura ao Sindicato dos Ferroviários do Sul, em declarações à Voz da Planície, recorda as lutas travadas.

António Rosa afirma que vive com “tristeza” e muita “paixão” as notícias que vai acompanhando actualmente sobre o serviço ferroviário que é prestado na região.

António Rosa confidenciou ainda aos microfones da Voz da Planície que tem saudades de ouvir apitar os comboios todos os dias e mostra-se pessimista com o futuro nomeadamente na manutenção da ligação entre Beja e Casa Branca.



Comente esta notícia