necropóle rua lavoura

A conferência, promovida pela Associação de Defesa do Património de Beja, tem como oradores, o arqueólogo, Miguel Serra, e a antropóloga, Sónia Ferro.

No Verão de 2017 trabalhos de requalificação que decorreram na Rua da Lavoura em Beja colocaram a descoberto diversas sepulturas de época romana. A intervenção arqueológica que se seguiu permitiu a identificação de 27 sepulturas que apresentavam arquitecturas muito variadas, incluindo 7 sarcófagos, e primavam na sua maioria pela ausência de espólio.

No entanto, os dados recolhidos quer através da análise arquitectónica, quer dos escassos materiais recolhidos no interior de algumas sepulturas, possibilitou a identificação de dois momentos principais, um do século I da nossa era e outro do século V. A dispersão da localização dos achados sepulcrais por uma vasta área e a sua cronologia permitem considerar esta como uma necrópole de grandes dimensões e com uma longa duração.

A conferência, desta noite, pretende incidir sobre os dados preliminares da intervenção arqueológica, com destaque para os resultados antropológicos.



Comente esta notícia