concentração policias

Segundo a Associação Sindical dos Profissionais de Polícia, entre tantas matérias merecedoras de contestação, decidiu-se especificamente optar por duas questões, como mote para esta luta.

Francisco Passinha, delegado em Beja da ASPP/PSP, começa por destacar aquilo que diz ser, o não cumprimento da decisão judicial que estipula a impossibilidade de corte de suplementos dos policias, em período de férias.

Ainda segundo, Francisco Passinha, outro motivo que está a provocar descontentamento prende-se com a lista para a pré-aposentação de 2018, o seu atraso e os indícios de não atingir os 800 profissionais.

Segundo a ASPP/PSP, tendo em conta que, estas duas matérias foram lutas que encetou, em termos legislativos e também judiciais, espera agora que os polícias façam a sua parte, no sentido de traduzir em termos de contestação, aquilo que foi o trabalho de base.







Comente esta notícia