direitos migrantes

De acordo com a Cáritas, à Diocese de Beja todos os dias chegam novos rostos, 28 mil estarão neste momento no distrito, grande parte na apanha da azeitona, trata-se de mão-de-obra barata e paga à hora mesmo que recebam à semana, à quinzena ou ao mês e, às vezes, com atrasos. Emigraram do Senegal, da Guiné-Conacri, do Paquistão, da Índia, do Nepal, entre outras nacionalidades, porque procuram melhores condições de vida uma vez que em Beja, faltam braços para a agricultura.

Márcio Guerra, da Cáritas Diocesana de Beja, afirma que o Círculo do Silêncio, desta tarde, pretende sensibilizar e consciencializar as pessoas para a questão dos fluxos migratórios, com destaque para aquilo que se passa nesta região. Trata-se de um tema que está na ordem dia e que precisa de uma intervenção humanista centrada na dignidade do ser humano.

Ainda segundo, Márcio Guerra com os fluxos migratórios acabam por chegar, às comunidades de acolhimento, mitos e medos que importa desmitificar.



Comente esta notícia