Carpediem na Aldeia

A Capediem na Aldeia desenvolve o seu trabalho no Espaço Internet e Biblioteca de Cabeça Gorda e entre as várias iniciativas que promove destacamos, entre outras, a “Semana Cultural”, “Maratona de Fotografia”, as “Noites Culturais” e a participação no “Festival do Cogumelo”. Esta é uma associação que “entende a cultura como forma de desenvolvimento de competências sociais, promoção de valores da tolerância e do respeito pela diferença, alicerçada no contacto e envolvimento direto com a população, constituindo-se como um meio indispensável à promoção de uma descentralização cultural digna desse nome, tornando mais motivante a vivência numa freguesia rural”, assegura o presidente da Direção. Neste contexto, Rodrigo Martins, passa em revista, também, o trabalho que “desenvolve com os mais novos, em que os leva a criar cultura”, e neste âmbito deixa o exemplo do Grupo Coral Infantil Carpediem, que em 2019 “foi ao Luxemburgo mostrar como se interpreta o cante, num projeto desenvolvido em colaboração com o músico de Beja Paulo Ribeiro”.

“Têm sido muitos os amigos da Capediem com quem tem sido possível fazer projetos ao longo destes anos”, afirma Rodrigo Martins, dizendo contudo, que “a Associação vive hoje com mais dificuldades” e explicando porquê. Prosseguiu revelando, ainda, “a importância do apoio que a Carpediem dá a 15 crianças da aldeia de Cabeça Gorda, no estudo e no ir levar e buscar à escola” e do facto, da “Associação integrar a CPCJ” que, nas palavras do presidente da Direção, “é uma responsabilidade acrescida”.

Amanhã, dia 31, a Casa do Povo de Cabeça Gorda recebe um ensaio aberto, a partir das 22.00 horas, no âmbito da iniciativa “Patrimónios Imateriais”. Uma noite onde fado e cante mostram o “melhor” da cultura portuguesa e um pouco do espetáculo que os protagonistas do ensaio aberto irão fazer depois, no dia 8 de fevereiro, no Luxemburgo. Mais uma realização da responsabilidade da Carpedie no âmbito do projeto que visa mostrar a cultura portuguesa fora das suas portas, numa parceria com a Associação ADIE, que começou há 3 anos e que tem a finalidade de “divulgar a cultura e língua portuguesas nas comunidades envolventes, reforçando uma interação multicultural e integração dos portugueses no Luxemburgo.”


Comente esta notícia