Beja pode ser a próxima capital do sudoeste ibérico

“Resolver os problemas das pessoas para depois desenvolver é a estratégia do Observatório do Baixo Alentejo (OBA) baseada no conceito da geoeconomia” e António Costa e Silva corroborou estes pressupostos, indicando várias possibilidades para o território do Sudoeste Ibérico, que “começa no Atlântico e se expande para o espaço ibérico”. Neste contexto, António Costa e Silva deixou claro que o caminho a seguir é este, “transformar o Interior na centralidade do interland ibérico, fazendo de Beja a sua capital”. Acrescentou que a “aposta nas infraestruturas alinhadas com as questões da descarborização, na conectividade e na luta contra a desertificação são metas importantes a concretizar até porque podem atrair fundos europeus”, foi o conselho que deixou.

João Paulo Ramôa, presidente da Assembleia-geral, explicou que o OBA “é uma entidade que tem como principal pressuposto agir e por isso”, frisou, “também é lobby porque pode contribuir para a agilização dos processos”.

“Agora o caminho é criar parcerias e permitir a esta entidade da sociedade civil desenvolver uma estratégia comum centrada nas pessoas”, deixou claro Jorge Barnabé, presidente do OBA, “numa visão mais ampla que vise a concretização”, acrescentou. E foi nesta sessão em que António Costa e Silva referiu que “é um erro apontar o aeroporto de Beja como alternativa ao de Lisboa, pois as suas potencialidades são industriais, entre elas o desmantelamento de aeronaves”, que Jorge Barnabé anunciou a defesa de um “interland ibérico a partir do aeroporto de Beja, que será promovido através da criação de um Gabinete de Promoção do Parque Logístico”.

Na sessão de apresentação que contou com a presença, também, no Pax Julia, de diversas personalidades de diferentes quadrantes políticos e entidades da região, António Costa e Silva terminou as suas palavras com um provérbio angolano: “Os pirilampos são animais sábios porque se iluminam.” E acrescentou “devemos ser pirilampos e da escuridão mudar o nosso destino e trabalhar para isso”.


Comente esta notícia