Basílica Real de Castro Verde

Com um investimento que ascende a 446 mil euros, a requalificação deste que é um dos monumentos de referência do património religioso do Baixo Alentejo, define-se em duas fases de intervenção que vão decorrer em diferentes momentos.

A 1ª fase prevê a limpeza manual do telhado, o arranjo de portas e janelas e a pintura total do monumento, num investimento superior a 65 mil euros.

Este investimento terá um apoio de 28.285 euros da Câmara Municipal de Castro Verde, cabendo o restante investimento, cerca de 26.225 euros, ao Governo, à União de Freguesias de Castro Verde e Casével (5.245 euros) e à Paróquia de Castro Verde (5.245 euros).

O contrato-programa para a 1ª fase e o Acordo de Colaboração para a 2ª fase vão ser assinados numa Sessão Pública, nesta sexta-feira, às 11.00 horas, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Castro Verde. As declarações são de António José Brito.

Esta primeira intervenção foi definida no âmbito do Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Coletiva (PEUUC) e nos termos de um acordo a celebrar pelas entidades referidas.

Para uma 2ª fase, fruto da articulação conseguida entre a Câmara Municipal, a Paróquia de Castro Verde, a Diocese de Beja e a Direção Regional de Cultura do Alentejo, foi elaborada e submetida a Fundos Comunitários uma candidatura que estipula um investimento na ordem dos 381 mil euros, para uma intervenção de conservação e restauro do teto pintado da Basílica Real.

António José Brito frisa que, o município tem muita confiança na aprovação desta candidatura que está, neste momento, em fase de análise.

O autarca frisa que esta reabilitação é “há muito esperada pela população” e que durante, muitos anos, “não houve empenho” nesta intervenção. Quanto ao arranque da 1ª fase da obra, António José Brito afirma que avança “seguramente” neste verão. Já a 2ªfase demorará “um pouco mais de tempo”, mas o executivo está confiante que até meados de 2020 a Basílica terá condições bastantes renovadas”.


Comente esta notícia

Galeria de fotos