HOSPITAL DE BEJA URGÊNCIAS

O Correio da Manhã refere que uma mulher de 29 anos entrou nas urgências do Hospital de Beja na madrugada de ontem, com fortes dores abdominais e que foi sujeita a um exame de ecografia para averiguação do seu estado, mas que abandonou a sala de exames alegando ter sido violada pelo enfermeiro, de 31 anos de idade, que a terá observado.

Aquele matutino explica que a mulher foi sujeita a exames no Hospital para confirmação da violação e que os mesmos não foram conclusivos, tendo a alegada vítima sido conduzida ao Instituto de Medicina Legal de Lisboa para realização de mais exames, local onde terá passado a tarde de ontem.

Quanto ao enfermeiro acusado pela mulher de 29 anos, o Correio da Manhã esclarece que tem estado a ser interrogado pelo inspectores da Polícia Judiciária de Faro, a quem foi entregue depois da PSP de Beja ter sido chamada à ULSBA para tomar conta da ocorrência.

O jornal refere, igualmente, que a PJ estará agora a investigar se o alegado violador e a vítima se conheciam ou tinham tido algum tipo de relacionamento.

A ULSBA esclarece, em comunicado de imprensa, que a doente referida na notícia do Correio da Manhã não foi sujeita a exame de ecografia, nem periciais, no Hospital de Beja, tendo sido encaminhada para o Instituto de Medicina Legal de lisboa, conforme normativos em vigor e que foi comunicada à Direcção Clínica Hospitalar, na manhã do passado dia 18, a denúncia de uma doente, que foi depois reportada ao Conselho de Administração.

O documento da ULSBA explica também que perante aquela ocorrência o Conselho de Administração deliberou pela abertura de um processo de inquérito, tendo sido nomeado como instrutor de um técnico superior do Gabinete Jurídico e Contencioso.

É revelado, igualmente, no comunicado de imprensa da ULSBA que o Conselho de Administração deliberou pela não suspensão do profissional visado na denúncia uma vez que, até ao momento, não existem provas que sustentem as acusações em causa.


Comente esta notícia