Serviço Comercial de Ovinos

Miguel Madeira revela à Voz da Planície que o balanço deste ano experimental do Serviço Comercial de Ovinos é positivo, numa primeira fase, que contou com a participação de 25 sócios da ACOS, produtores de ovinos aderentes, e contabilizou, a comercialização de mais de nove mil animais.

“Os sócios presentes na reunião de balanço e de reformulação de alguns procedimentos manifestaram, de um modo geral, agrado pelo serviço, com destaque para ganhos mais vantajosos e boa organização”, explica a nota de imprensa da ACOS.

"O escoamento dos ovinos para Espanha assenta numa parceria com a OVIPOR, cooperativa com largos anos de experiência nesta matéria, e o preço de referência pago pelos animais (borregos e adultos) é o da Bolsa da Extremadura, consideravelmente, acima do preço corrente em Portugal."

"Presente na reunião, o responsável da Ovipor, Agustín González, fez uma apresentação sobre a evolução do setor ovino em Espanha e dos desafios enfrentados. Regularidade no fornecimento de matéria prima, dimensão, homogeneidade e ainda aposta em inovação, investigação e desenvolvimento para adaptação a novas exigências e otimização de custos são alguns dos desafios tornados realidade".

A 2ª fase deste Serviço de Comercialização, a decorrer até Dezembro de 2019, abre portas a novos associados da ACOS que tenham interesse em aderir, tal como afirma Miguel Madeira, esclarecendo que a expetativa é de “continuar a melhorar o sistema”.

“Do lado português há ainda um longo caminho a percorrer no que respeita à organização e normalização da produção, à concentração da oferta e, num outro patamar, à criação de centros de tipificação e engorda que permitam o aproveitamento de diversas mais valias tanto relacionadas com a transformação, como com a origem dos animais. É esse caminho que a ACOS está a procurar fazer através da criação de parcerias e protocolos de colaboração com entidades portuguesas e espanholas”. 


Comente esta notícia