Só 6% das empresas do Alentejo não têm potencial exportador
Só 6% das empresas do Alentejo não têm potencial exportador

Ana Elias de Freitas/Rádio Voz da Planície - 08/09/2017 - 00:00 - Imprimir


Só 6% das empresas do Alentejo não têm potencial exportador


Foi feito ontem, em Beja, no NERBE/AEBAL, o balanço do projeto Alentejo Exportar Melhor. Todas as associações empresariais envolvidas, de Beja, Évora, Portalegre e Sines fizeram um balanço muito positivo do consórcio constituído, relevando os resultados positivos do projeto, que apontou para o facto, de apenas 6% das empresas do Alentejo não apresentarem potencial exportador.

Recorde-se que o Alentejo Exportar Melhor foi aprovado pelo Programa Operacional Regional do Alentejo, que juntou as associações empresariais de Beja, Évora, Portalegre e Sines, representando as micro, pequenas e médias empresas do Baixo Alentejo, Alentejo Central, Norte Alentejo e Alentejo Litoral.

A aposta deste projeto passou pela realização de atividades de promoção, divulgação e de imagem nos Estados Unidos da América, Alemanha, Suécia e Marrocos, tendo por base a internacionalização dos sectores mais importantes e com maior relevância para a economia da região.

Filipe Pombeiro, do NERBE/AEBAL, mostrou-se muito satisfeito com os resultados alcançados e apresentou os números que revelam que 53% das empresas analisadas mostraram elevado potencial de exportação, 41% potencial exportador e só 6% mostraram não ter viabilidade nesta possibilidade.

Estiveram presentes no balanço efetuado todas as associações envolvidas e os representantes de Évora, Portalegre e Sines realçaram o forte consórcio alcançado, através deste projeto, mostrando que o caminho é este e que passa pela realização de trabalho conjunto, em prol de um objetivo comum.

Ricardo Tavares, da Herdade do Rocim, falou com a comunicação social presente, relevando a importância deste projeto para as empresas que estão nos mercados internacionais ou que querem expandir os seus negócios. No seu caso em concreto, veio a Beja participar nas reuniões de ontem, tendo em vista o mercado de Marrocos e salientou que a sua empresa já está implementada em alguns países, para onde exporta o vinho que produz.

COMENTE ESTA NOTÍCIA