ARQUIVO


Jodicus lança selo comemorativo do seu 35º aniversário...


35 anos de vida. Mais de 30 peças encenadas. Milhares de espectadores. Inúmeras actividades culturais e desportivas. Este é o balanço das três décadas e meia de vida que o grupo de teatro Jodicus está a celebrar.

35 anos de vida. Mais de 30 peças encenadas. Milhares de espectadores. Inúmeras actividades culturais e desportivas. Este é o balanço das três décadas e meia de vida que o grupo de teatro Jodicus está a celebrar.

Nascida na Salvada e actualmente com sede na freguesia de Cabeça Gorda, a associação não se sente propriedade de nenhuma freguesia ou território, é antes embaixadora da região, no país e no mundo.

Rogério Fialho é actor e fundador do Jodicus, por isso um interlocutor especial para nos falar sobre os 35 anos de vida desta associação. De entre todas as peças levadas à cena, Rogério recorda a trabalheira que lhes deu encenar “A Dor Suprema”, um texto original de Marcelino Mesquita.

No currículo do Jodicus surgem também sete edições da BITIJ, a Bienal Internacional de Teatro para a Infância e Juventude que trazia ao concelho de Beja grupos de teatro oriundos de vários países. Um projecto cuja continuidade está posta em causa, ou melhor, de acordo com Rogério Fialho, um projecto que aguarda por melhores dias…

A crise é sobretudo financeira porque, relativamente ao público, este nunca voltou costas ao teatro, é pelo menos isso que sentem os dirigentes do Jodicus.

Ao celebrar 35 anos de vida, o Jodicus tem neste momento em cena seis peças. Três delas são destinadas ao público infantil, duas para jovens e adultos existindo ainda um espectáculo de magia. Parabéns ao Jodicus!

12/04/2013 - 00:00